11/04/2017

Mulher sorri na porta de cafeteria decorada com bicicletas

Páscoa, Dia das Mães e Natal são algumas das datas comemorativas conhecidas por movimentar tanto o comércio tradicional quanto o bolso de quem deseja garantir uma renda extra em determinados períodos do ano.

As festas populares também entram no cronograma de quem vê na celebração uma oportunidade para lucrar. A formalização de microempreendedores individuais (MEI) que atuam em atividades ligadas ao Carnaval, por exemplo, subiu 272% nos últimos cinco anos, segundo levantamento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). O número passou de 33,8 mil, em 2011, para quase 126 mil, em 2016.

"Não há dúvidas de que aproveitar essas oportunidades pode gerar uma renda adicional para o empreendedor. Porém, entendo que o maior benefício desse tipo de experiência é vivenciar o sonho do negócio próprio, ainda que seja por um mês ou mesmo um final de semana", afirma Cesar Akira Yokomizo, docente do Senac EAD nas áreas de estratégia, inovação e empreendedorismo.

Dessa forma, quem pensa em empreender por conta própria tem a possibilidade de experimentar, na prática, os benefícios e dificuldades do projeto que tem em mente, analisando a viabilidade operacional da ideia nesses períodos.

"Em geral, o empreendedor mais inexperiente tende a superestimar os benefícios e subestimar os problemas. E fazer essa avaliação de prós e contras pode trazer a oportunidade de repensar o negócio, seja para abortar o sonho, adiar ou entrar de cabeça", afirma Cesar. "Fazendo uma analogia, é como se fosse um test drive quando a pessoa está se decidindo sobre a compra de um carro", completa.

Planejamento e capacitação
Cesar alerta que, quando se considera empreender em datas ou eventos específicos, é essencial identificar o público-alvo que se pretende atingir com a iniciativa. Isso garante a canalização de esforços e recursos, além de potencializar a chance de atingir o verdadeiro interessado no produto ou serviço oferecido. Para o docente, quanto mais específica for essa escolha, mais robusto estrategicamente o negócio estará.

"Muitos acabam se iludindo com algum tema da moda, como foi o caso dos frozen yogurts e paletas mexicanas. E pode até ser o caso da Páscoa com ovos de chocolate", diz Cesar. "Não sou contra o empreendedor se identificar com esse tipo de tema e tentar prosperar. Mas vale prestar atenção à definição de qual é o público-alvo que se pretende atingir. Por exemplo, se vai trabalhar com ovos de chocolate, é interessante tentar uma diferenciação para atingir um público específico: celíacos, intolerantes à lactose, chocolate a baixo preço, chocolates exóticos a preço premium, apenas para ilustrar", afirma.

Outro ponto destacado pelo especialista é a importância da capacitação. "Embora não seja o único condicionante, a capacitação é uma questão importantíssima para o sucesso do negócio. E, infelizmente, o tema ainda é negligenciado por muitos empreendedores", alerta.

Cesar explica que há dois tipos de capacitação, que funcionam de maneira complementar em um projeto: técnica e gerencial. Na capacitação técnica, o empreendedor será um expert do assunto principal do negócio. Ou seja, se o empreendimento é focado em gastronomia, por exemplo, espera-se que o empreendedor tenha excelente know-how na cozinha.

Além da capacitação técnica, o empreendedor precisa entender da administração do negócio, dominando questões relacionadas à estratégia, finanças, marketing, gestão de pessoas, direito empresarial, entre outros temas comuns ao gerenciamento de um projeto.

"Quando o empreendedor consegue unir esses dois tipos de competências, a chance de o negócio prosperar aumenta muito", afirma Cesar.

Conheça os cursos na área de comércio e gestão oferecidos pelo Senac EAD.

Leia também:

Ano novo, emprego novo: profissionais orientam como mudar de carreira

Para empresários, disputa por preço não é suficiente no e-commerce

Economia criativa pode ser saída para desemprego, diz especialista