29/05/2018

recursos humanos

O mundo mudou e não foi diferente com o setor de recursos humanos (RH) que precisa estar sempre atualizado para acompanhar as constantes evoluções na economia, na tecnologia e na sociedade de modo geral. Samantha Vieira, professora dessa área no Senac EAD elucida essa evolução: “Antes, as pessoas desejavam trabalhar em empresas que proporcionassem apenas a estabilidade profissional, o pensamento de hoje é completamente diferente, pois o objetivo da nova geração de trabalhadores é atuar em um ambiente de felicidade e realização”, afirma a profissional.

Nesse contexto, o RH precisou mudar sua forma de atuação, substituindo antigas formas de controle, que antes eram puramente baseadas em normas e regras de obediência, pelos interesses de todos em um clima de colaboração para estimular o engajamento e o espírito de equipe. Com relação aos processos, Samantha conta que o uso de softwares tem facilitado muito o recolhimento e armazenamento de dados importantes para a gestão desse segmento, como a informatização da folha de pagamento, o ponto biométrico, as análises de desempenho entre outras atividades pertinentes à área.

Com a informatização, a gestão de RH consegue priorizar questões mais estratégicas e menos burocráticas, alinhando seus objetivos ao planejamento estratégico da empresa. “Isso se traduz em ações voltadas ao endomarketing e a qualidade de vida, bem como no foco em desenvolver pessoas, tendo como fortes tendências a formação de lideranças inspiradoras, a otimização da experiência do colaborador na organização e a valorização de ambientes de trabalho cada vez mais descontraídos e menos formais”, relata Samantha.

Já há algum tempo, o big data tem sido aplicado no aprimoramento da gestão de pessoas em muitos aspectos, a profissional destaca: 

Planejamento de custos relativos aos indicadores de RH - índices de produtividade, rotatividade, absenteísmo, acidentes de trabalho, por exemplo, podem ser mensurados com mais facilidade com o uso de softwares específicos. 

Desenvolvimento de colaboradores e fortalecimento da cultura - A utilização de capacitações online, games e histórias contadas com o apoio de recursos audiovisuais pode auxiliar no aumento do capital intelectual, bem como reforçar os princípios norteadores e os valores da empresa. 

Objetividade na avaliação de desempenho - Existem sistemas de informações que garantem maior precisão na mensuração do desempenho de colaboradores. Desta forma, é possível estabelecer metas mais objetivas quanto aos pontos a serem trabalhados pelos avaliados.

Além disso, Samantha explica que ao utilizar a big data em processos seletivos, o RH consegue cruzar os dados dos candidatos disponíveis, tanto na base interna de dados, quanto em redes sociais - como Facebook e Linkedin, por exemplo - com as informações e requisitos da vaga a ser preenchida, tornando o processo de triagem muito mais rápido, a seleção mais eficiente e consequentemente, reduzindo os custos que um processo seletivo tradicional envolve.

No que diz respeito a contratações, ela relata que a funcionalidade de um software que identifique rapidamente o perfil de colaborador desejado para a organização, isto é, que se identifique com a missão da empresa e tenha interesse em permanecer nela a longo prazo, vai além de uma lista de critérios. “Com o big data é possível mapear candidatos que tenham competências comportamentais e técnicas específicas, bem como experiências de trabalho relevantes ao cargo em aberto, tornando o processo de provisão de pessoas muito mais assertivo”, afirma a docente.

Outro aspecto do RH que traz preocupação é a retenção de talentos. Na visão da Samantha, essa é uma das tarefas mais complexas desse setor, uma vez que as altas taxas de rotatividade se traduzem no desperdício de recursos que poderiam ser aplicados na empresa.

Para reter os talentos da organização, a área precisa monitorar o clima no ambiente de trabalho, a fim de mantê-lo saudável. Para isso, recomenda a professora: “pode utilizar ferramentas como pesquisas de satisfação on-line, em que os colaboradores tenham liberdade para expor suas opiniões de forma anônima, de modo que a gestão tenha um diagnóstico de tudo que precisa ser modificado para aumentar a motivação e a produtividade de todos”.

3 de junho - Dia do Profissional de Recursos Humanos
Desde 1976, em 3 de junho é comemorado o Dia do Profissional do Recursos Humanos, em todo o mundo. Data remete à fundação da WFPMA (World Federation of People Management Associations).

No Brasil, a data foi instituida por Genézio Lucone, fundador da extinta Associação Paulista de Administração de Pessoal. Atualmente, a Associação Brasileira de Recursos Humanos, de São Paulo (ABRH-SP).

 

Samantha Vieira* é formada em Gestão de Recursos Humanos, especialista em Pedagogia Empresarial e Educação Corporativa e em Docência no Ensino Técnico. Tem experiência na docência desde 2013.

Conheça os cursos Técnico em Recursos HumanosTecnologia em Gestão de Recursos Humanos e a  pós-graduação em Gestão de Pessoas.
 



Leia também: